Mucugê no olhar da Camicleta!

Olá Povo da Camicleta!!!

Estamos na Chapada Diamantina, agora é a segunda vez que viemos aqui para essa maravilha. No ano de 2016 estivemos em Lençóis, agora estamos em Mucugê.

   O acesso se dá pela Ba 142. Aqui algumas imagens da cidade. Em tempo vamos ampliar essa publicação.

Compartilhar

DRONE SOBREVOA O MAIOR JEQUITIBA DO BRASIL

 Olá amigos e amigas da Cami.

           Nessa nossa passagem pela Bahia, mais precisamente em  Camacã, na BR 101, ao avistarmos uma placa que indicava o observatório do maior jequitibá do Brasil, que ali foi descoberto dentro de uma área de produção de cacau, sem exitar paramos a Camicleta e resolvemos sobrevoar o exemplar!  Ela está distante a 1500 metros a dentro da Mata Atlântica, e pode se observar que fica destacada das demais por sua imensa altura de  48 metros e 4,35 metros de diâmetro, e segundo informações foi encontrada por Rodrigo Barreto, proprietário da Fazenda Monte Florido, no município de Camacã. No vídeo mostramos a árvore em um angulo exclusivo, sobre a sua copa! Assim como nesse vídeo, todo o conteúdo do nosso canal do youtube é sempre de qualidade. Deixe seu email registrado para que você possa ser informado de nossas publicações, e lá no Youtube não deixe de inscrever-se, para quando houver transmissões ao vivo também seja notificado, participando assim ativamente de nossas viagens.

 

    Fiquem com Deus e até a próxima!
 

Compartilhar

Assista a “Safari fotográfico em busca da Baleia Jubarte!” no YouTube

  Então amigos e amigas da Camicleta.

    Como prometido aí está o vídeo onde registramos nosso passeio em busca das baleias Jubarte na costa de Porto Seguro. Fomos 35 km para dentro do mar. No vídeo mostramos desde a saída até o momento de encontrar as baleias. O passeio foi bem agitado, o mar balançava bastante, então encontramos muita dificuldade. Ao final uma surpresa de bônus, o acesso às imagens Continue lendo

Compartilhar

Praia de Palmas em Governador Celso Ramos




  1. Boa tarde amigos e amigas da Cami.

  Imagens aéreas em 360 graus,  que fizemos com o drone Mavic. Não dominamos ainda esta tecnologia , mas estamos tentando melhor. Comente, digam suas impressões. Neste praia existe um estacionamento que aceita motorhome, é so falar com Pedro. Vou colocar os dados abaixo em uma atualização do post daqui uns dias. 

Esta postagem é uma imagem panorâmica

IMAGEM PANORÃMICA MOVA PARA VISUALIZAR 

This content requires HTML5/CSS3, WebGL, or Adobe Flash Player Version 9 or higher.
This content requires HTML5/CSS3, WebGL, or Adobe Flash Player Version 9 or higher.

 

 

Compartilhar

A VIDA DEPOIS DOS CINQUENTA PODE SER ASSIM – Ano 2017 SERRA DO RIO GRANDE DO SUL – CAMPING EM GRAMADO

Bom dia povo!

    Aqui tenho escrito pouco, muitas vezes  o face nos tira tanto tempo que deixamos de lado algumas coisas que gostaríamos de fazer neste site. De qualquer forma uso esta ferramenta, também uso a página Motorhome Camicleta do Face, o canal do Youtube e o perfil pessoal, fora o Instagram, de vez enquando o twiter, bom tem tantas formas de se comunicar que chega dar um nó.

   Hoje vou publicar um vídeo que fiz semana passada, final de semana de feriado, onde se comemorava o dia do trabalhador. As imagens foram feitas com o drone Mavic que estamos usando para melhorar a forma de contar nossas historias.

   Temos melhorado bastante, no entanto longe de ser profissional, até porque não é isso que pretendemos. Nosso objetivo é viver e compartilhar com nossos amigos o mundo contemplado de uma forma diferente, vivendo dentro de um motorhome, espaço suficiente para mim e a Lilian. Já nos conhecemos a 33 anos, casados a 29 anos.

   Tenho mais de 50 anos e a Lílian também, e dia desses criei uma nova contagem, apartir dessa idade zerou por isso me considero com 4 e a Lílian com um ano, com muito a fazer pela frente, mas com experiência de uma outra fase.

A  VIDA DEPOIS DOS CINQUENTA PODE SER ASSIM!

   Então vamos deixar de papo e vamos agir, curtam o vídeo e nossas aventuras, que nós terminando essa postagem vamos tomar um café e pedalar até a floresta de Cequovias aqui em Canela, na serra do Rio Grande do Sul.

Compartilhar

Argentina com a Camicleta em 2016

A Argentina nos revelou lugares maravilhosos, um povo amigo e acolhedor. Nossa viagem até o fim do mundo foi cheia de emoções,  imprevistos e surpresas maravilhosas. Aqui um pouco da nossa viagem em fotos!

Compartilhar

Puerto Piramides

     Em nossa passada pela Patagonia Argentina chegamos agora a Puerto Pirámides que é  o único povoado dentro da Península de Valdés, de onde partem embarcações em busca da Baleia França Austral. Aqui na praia existe wifi livre e assim podemos gravar um vídeo ao vivo que roda no Facebook,  clik no texto para ser redirecionado a página do face, motorhome camicleta.


Fiquem com Deus.

Compartilhar

Las Grutas

Por fim a Patagonia Argentina, beira mar, nos concedeu a beleza que encanta seus visitantes. Após ficarmos por três dias em San Antônio do Oeste fazendo um conserto na Cami.

Ao sairmos de Conesa onde recolocamos o eixo cardam que soltou, pegamos a estrada em direção a Puerto Madry, contudo o vento que soprava era tão  forte que soltou o toldo duas vezes e a vibração dentro da casa era muito grande, então resolvemos parar na primeira cidade que cruzassemos onde tentariamos algo para melhorar. Afinal, em algum lugar antes de Puerto Madry poderíamos fazer o conserto. Assim acabamos em San Antonio Oeste.

A entrada do cidade estava em arrumação ,  de qualquer forma é de chão batido, muita poeira, e uma vista que não prometia nada, isso tudo era provação.

No caminho demos carona a dois moradores de Las Grutas, um rapaz jovem e seu enteado, nos disseram que poderíamos achar uma ferreteria em San Antônio Oeste, e que Las Grutas era muito bonita  e turística.  Ao descerem em uma rotonda (rótula por aqui) a Lílian viu que o menino esqueceu  boné branco na mesa ,  parei a Cami e ela devolveu a ele pela janela, que sorrindo dizia muitas graçias, repetidas vezes. Ele gostava daquele boné!

Ao chegar em San Antônio Oeste, logo no inicio da cidade com ruas de chão batido e poeira, avistamos uma ferreteria,  e ali comprei parafuros e umas lâminas de metal que construí, a partir delas, duas segurança para as barras do toldo.

Essa ferreteria (ferragem),  tinha uma porta com um trinco que não fechava direito, já diz o ditado: “casa de ferreiro espeto de pau”,  então você entra e fica ali tentando fechar a porta enquanto o dono fica no balcão  te aguardando. Dentro tinha um pouco de tudo, e lógico, achei o que tinha imaginado, enquanto procurava por uma ferragem. Nesta mesma ferragem comprei quando de partida da cidade, duas tomadas para um amigo brasileiro que solicitou pela Internet.

O dono da ferragem me disse que na mesma rua havia um mecânico que poderia ou arrumar o problema de balanceamento da Cami,  ou indicar quem pudesse. Era intervalo de almoço do comércio, que normalmente vai até umas três horas da tarde. Diante disso a Lílian preparou o almoço ali mesmo, em frente a ferragem. Após comermos deslocamos até a frente da oficina que estava fechada. De um lado a oficina e no lado que paramos uma escola para pessoas especiais. Enquanto esperava abrir a oficina tratei de construir a segurança para o toldo.O sol era muito forte e estava muito quente. Nesse momento é  que você  dá valor ao toldo, e também  mais valor a uma máquina de solda portátil, esmerilhadeira e outras ferramentas. com tudo isso construí a segurança,  que entendo ficou muito boa.

Terminada a construção da segurança do toldo, a oficina mecânica  estava abrindo, falei com o mecânico  que me indicou uma outra oficina que trabalha com tornos e poderia fazer o balanceamento do Cardan da Cami, e lá fomos nós mais a dentro da cidade que passou a mostrar umas ruas com asfalto,  menos poeira, mais comércios ou seja, mais estrutura. Ali depois de conhecer todos, ficamos por três dias em conserto,  devido a outras demandas prioritárias. Fomos muito bem recebidos pelo Fernando proprietário e todos os auxiliares. Ligamos água,  luz, e nesse tempo fizemos outros reparos tipo troca da válvula do freio motor enquanto a Lílian lavou umas roupas e assim passamos esses dias.

Saímos de San Antônio do Oeste com execelente informações de Las Grutas, tanto que estamos aqui agora, a beira de um penhasco que deixa ver o  mar a uns 30 metro abaixo, após uma extensa praia de pedra reta, onde batem as ondas do mar. Nessa parte, lá em baixo foram feitas algumas piscinas nas pedras que ficam cheias de água em razão da maré alta.

O local é  realmente lindo, dizem que as águas são as mais quentes de toda a Argentina em razão de uma corrente marítima proveniente do Brasil.

Fomos até o centro de Las a Grutas onde fomos surpreendidos com shooping, lojas de departamentos,  e tudo que uma cidade turística de pequeno porte tem. Não resistimos ao maior tripancho da Patagonia, de 45 centímetros,  que não medimos, mas repartido satisfez a nós  dois.

Depois de tirar algumas fotos e conversar com um casal de argentinos que estão de motorhome ao nosso lado, e também tem por destino o Ushuaia, jantamos e eu vim postar mais essa estada em nossa viagem pela Argentina.

Vejam as fotos, curtam a página no face,  comentem e dêem uma olhada na rede de apoio aos viajantes que está esperando por você!

dsc07168 dsc07178 dsc07187 dsc07196 dsc07199

_dsc9294

 

Fiquem com Deus.

Compartilhar

Camicleta guinchada na Patagonia Argentina.

        Ontem caiu a barra maior do Cardan,  que liga direto no diferencial. Dia desses troquei um borracha de proteção do Cardan que havia danificado. A segurança que prende a barra rompeu com o peso e partiu, a barra desceu e bateu diversas vezes no chão, no asfalto, tirando lascas. Paramos após perder velocidadae porque o acostamento tinha desnível. Pelo menos tinha acostamento.
Conseguimos chamar 911, emergência da polícia Argentina,  nos deram o telefone da grua ” guincho”. Agora se veja falando em portunhol com policial da gendameria, para explicar o que quer e onde está. A polícia nos atendeu muito bem, mas naquele lugar não tinham como ir naquele momento, se não conseguisse a grua ligaria novamente para ver o que fazer.
O bom é  que tínhamos pego dois chips de celular e assim conseguimos ligar, no meio do nada, porque não havia nada em lado nenhum até onde a vista pudesse ver.. O sinal fraquinho da claro dessa vez nos socorreu. Estávamos no pampa como chamam por aqui. A uns 15 km de Gen Conesa,  que fica as margem do rio Negro.

      Antes de conseguir ligar passavam veículos mas ninguém parava,  ou melhor um parou. Fiquei a beira da estrada onde cruzavam certamente a mais de 120 km por hora, a pista era bem boa, e pouco movimento, uma carro agora outro daqui alguns minutos. O Diogo parou o carro, um rapaz argentino que ia pescar, acho isso porque havia uma vara de pescar no carro .

    Quando vi que ninguém ia parar resolvi agradecer com reverência,  inclinando o corpo um pouco a frente, com as  mãos coladas ao corpo,  e baixando a cabeça agradecendo. Acho que calei o subconciente do rapaz que já havia passado e retornou. A novela do sinal de celular continuou, então ele anotou o número do guincho e o meu, caso mais a frente conseguisse ligaria ao guincho e nos mandaria uma mensagem para avisar se conseguiu ou não.

  Logo em seguida consegui um sinal de celular que resolveu aparecer dentro da Cami, e falei com guincheiro Roberto, e novamente no fone a tentar explicar onde estávamos foi difícil, mas o Diogo, que ficou de ligar, falou depois com ele por telefone, e explicou a localização. Soube que Diogo ligou porque chegou a mensagem que ficou de mandar. Veio então o Roberto com seu guincho nos apoiar. Primeiro tiramos o Cardan que estava solto, e depois prendemos a Cami por um cambao que trouxemos, “uma mer…..   de cambao” , porque primeiro não  entrava no orifício para prender o suporte, tivemos que cortar o para-choque na estrada, aumentando o buraco e depois se partiu quando fomos socorridos por Harri, um senhor Argentino muito boa praça,  que veio com um caminhão boiadeiro nos guinchar. O cambao não suportou dois metro e se partiu. O cambao foi feito só para aparencias, uma verdadeira mer…..

    O Harri tinha um cambão de verdade e aí sim a Cami foi rebocada até seu galpão a beira do rio Negro, onde foi feito o reparo.

     O Harri e seu filhos, Sebastian  e Hugo, mais a esposa Maria, acabamos conhecendo durante o dia. O Sebastian fazia 19 anos ontem e comprou um veículo antigo e estava muito feliz sonhando em colocar ele em forma. Ele gostam de carros antigos, e os usam no dia a dia.

       A noite depois de todos os contratempos fomos para uma parrilla Argentina, vou dizer que se fosse  no meu Rio Grande do Sul, a mais gaudéria de todas, basta olhar as fotos.

      Conversamos muito, dentro do que foi possível entender, fizemos  novos amigos, e a viagem continua hoje para puerto Madry, onde ainda terei de tentar balancear o Cardan.  Vou colocar a patente na Cami (aqui se chama assim a placa do veículo)  agora pela manhã, logo após postar essa história,   e tomar um café, olhando o rio Negro que corre ao lado de minha janela.

Compartilhar

Primeiros dias dentro do Uruguai

Bom dia amigos e amigas da Camicleta.

    Para aqueles que além  do site Camicleta nos acompanham no Facebook ( motorhome camicleta ), sabem que estamos agora viajando pelo Uruguai. Entramos  neste país vizinho por Acegua, e lá demos entrada formal no País. Não  houve burocracia, pediram nossos documentos, demos o passaporte,  preenchemos uma ficha, mostrei a carteira de habilitação e carta verde. Essa um caso a parte, porque em Acegua não queriam fazer para motorhome, até que depois de insistência e telefonemas com a agência  que fica em Bagé, autorizaram a emissão.

    Como chegamos em Acegua pela tarde e não conseguimos logo a carta verde, dormimos na rua em frente no posto Ipiranga, numa rua em frente que ainda fica no lado brasileiro, porque Aceguá , Br,  faz fronteira naquele ponto com o Uruguai, na cidade de Acegua, Uy.

   No outro dia seguimos destino paro o Uruguai,  já pela tarde, uma vez que fizemos a CV (carta verde), colocamos um bujão de gás novo, fizemos um pequeno rancho.

   Logo na frente demos carona a dois estudantes brasileiros que foram a Montevideu. Na estrada quando começou a chegar  a tardinha resolvemos parar para dormir no primeiro lugarejo que passamos. Até esse momento já  havíamos passado por Melo que fica bem próximo, pela pequena cidade de Treinta y Tres, onde compromas um chip movistar para acessar internet. A cidade por sinal é  muito organizada e bonita, com suas construções antigas, e tem uma bela praça central.

   O local que paramos na rota 8, de nome Mariscala é bem concorrido a noite por camioneiros, que ficam ali pernoitando. Neste local ficamos em frente ao comércio “Al Paso” onde a noite comemos uma “assado de tiras”, com batatinhas.

   A noite muito tranquila, embora na beira da estrada não passaram muitos carros. Pela manhã após o café  e o tradicional chimarrão, seguimos em frente até a próxima cidade onde paramos para almoçar, aí que conhecemos Minas no Uruguai. Um lugar com parques e cidade antiga. Fomos para o parque RODO onde a Lilian preparou nosso almoço.

  Após seguimos do parque até  o camping Arequita que fica ao pé  do monte Arequita, aida em Minas. Ficamos uma noite ali, muitas famílias acampavam com barracas e faziam fogo de chão onde assava seus churrascos.

Acima uma família que acampava.

Acima nosso acampamento. Uma Patrícia bem gelada, uns picadinhos e depois dormir.

    Amanhãceu o dia e fomos para a caminhada.

Olha a altura do monte.

Seguimos em frente.

Chegamos ao topo, após uma caminhada por dentro da mata, que é  bem limpa e tranquila embora não  tivesse marcações do caminho.

Em cima tudo vale muito, a vista e demais.
Fica essa dica de passando pela rota 8, no Uruguai, uma paradinha em Minas, que além  de outros campings,  oferece atrativos naturais e parques.

  De Minas seguimos para Punta Del Est, que fica para a próxima postagem.

Não  esqueçam de dar uma olhadinha na Rede de Apoio ao Viajante, que criei para auxiliar os viajantes que forem voluntários.

Fiquem com DEUS e até a próxima! 

 

Compartilhar