SEM RODEIOS PORQUE RODEIO É ESPECIAL -Sexto dia

Boa noite amigos e amigas da Cami.

Hoje amanheceu o dia com nuvens esparsas, mas o tempo prometia ser bom e foi, como veremos. A vista que de nosso espaço junto a igreja em Rodeio proporciona uma vista espetacular,  a baixo a cidade, e logo em seguida as montanhas. Tomamos nosso café com leite, eu só tomo leite sem lactose, uma vez que sou alérgico, uma fatia de mamão com canela, uma fatia de fiambre de frango defumado e uma torrada, e fomos dar uma caminhada matinal. Fazia tempo que estávamos sedentários,  então para começar a colocar  na rotina exercícios físicos decidimos que o tempo não nos comanda e sim nosso bem estar, de forma que a chegada para o encontro em Jaragua do Sul acontecerá quando chegar a hora, essa hora deve ser a hora certa! Qual ainda não sabemos.
Iniciada a caminhada entramos em uma rua que indicava através de uma placa, “Vila Italiana”, caminhamos seguindo placas que indicava a Vinícola San Michele, passamos pelo posto médico local, pela delegacia de Polícia Civil, uma rótula muito florida, seguimos em frente até um pesque e pague, onde entramos. Falamos com o proprietário, o Paulo Seára, gente muito especial, um cara que vive sozinho, em um espaço que produz peixes orgânicos, tem uma Casa de Arte e um restaurante o “Peixe Caipira” Perguntei ao Paulo se o peixe era certo, me disse ele que sim, então falei que voltava para pescar o almoço.  Seguimos na caminhada, até a Vinícola San Michele, no local falamos com o atendente que nos recebeu atenciosamente, disse que abriria as 1330 hs da tarde pois fecham ao meio dia, e como prometemos ao Paulo que iríamos pescar o almoço dissemos que retornariamos para comprar vinhos.
A caminhada foi de um pouco mais de uma hora, chegamos cansados na Cami, comemos uma maçã, e fomos até a Igreja para conhecer por dentro e fazer orações, em seguida arrumamos as coisas e fomos  um mercado, nos abastecemos e nos dirigimos ao pesque e pague. O local oferece caniço e isca, tudo preparado, escolhi um dos lagos e lancei a primeira tentativa e nada veio, na segunda um pequenino, bom o negocio foi mudar de lago. Dito e feito, peguei rapidamente quatro tilapias   e terminei a pescaria, fui para a limpeza das mesma e a Lílian  preparou as mesmas fritas, uma delícia. Os peixes são criados sem ração,  se alimentam com raízes das algas, tem a carne consistente,  sem cheiro e muito saborosas. Enquanto a Lílian preparava o almoço fui conhecer a Casa de Arte do Paulo, simplesmente surpreendente, o acervo dele é gigante, com obras de centenas de artistas brasileiros, ele tem pinturas, esculturas, obras em madeira em metal, em papelão,  e assim vai,  nome Casa de Arte não poderia ser mais apropriado,  uma vez que sua casa que não é pequena é tomada em todos os cômodos por obras de arte, desde a cozinha. Comercializa files de peixe, móveis por reaproveitamento da madeira, geléias …, bom um achado muito especial, logo ali, ou melhor aqui, em Rodeio, SC. Almoçamos,  e descansamos como outra rotina incorporada, não interessa a hora da outra atividade,  porque compromisso não queremos mais.
São umas 4 hs  da tarde, e seguimos então até a cascata Pietro Vota, o local está abandonado, uma pena, existe um hotel abandonado, um pórtico depredado,   a cascata no entanto está lá,  uma beleza natural. Pensamos até em pernoitar ali, mas vimos que as janelas tinha sido quebradas,  o que demonstra vândalos,  então seguimos e fomos a vinícola San Michele, onde encontramos um pessoal de Brasília que estava nas redondezas para pedalar na rota européia,  uma das opções de Rodeio. Na vinícola compramos alguns vinhos, em especial o “Barone” , feito da uva Nebbiolo, um tinto seco fino, paladar robusto, estruturado, com aromas de rosa, violeta,  framboesa, cereja, baunilha, noz-moscada,  chocolate e tabaco, de 2014, edição especial de 2000 garrafas.

          Ficou tarde, decidimos que evitaremos a estrada após 17 horas, temos de ficar por Rodeio, o que não é tudo de bom. Falamos com o atendente da Vinícola que de pronto disse sim, foi avisar o Marcelo um dos proprietários da Vinícola que nos aceitou prontamente, nos ofereceu água para abastecer a Cami, cedeu luz. Enquanto enchiam os tanques de água, Marcelo contou de sua experiência na Europa, da época em que fez os cursos de Viticultura, que em um deles recebia bolsa a qual gastava quase que toda em viagens, conhecendo os locais, com a particularidade de não ser apenas alguém que cruza o caminho,  mas que interage com as pessoas. Acabamos brindando com uma taça de Barone, e ao final me presenteou com uma garrafa. Também deixei com ele o mimo que tenho para dar as pessoas especiais que conhecemos no caminho.
Agora vamos ao banho e  após o lanche da noite, em um lugar sereno, junto às montanhas, clima de serra.
Por outro lado nem tudo são rosas, hoje perdi um tio muito querido, irmão de meu pai, o Tio Nestor, somente ficam lembranças queridas, que Deus o tenha e ampare porque sempre foi digno, trabalhador, honesto, um excelente pai de família.

        Fiquem com Deus e até amanhã.

Compartilhar